COMO VIAJAR GRÁTIS ?

Last modified date

Comments: 0

Foi em abril de 2010, quando fiz minha primeira viagem como mochileiro, onde visitei Belize, Honduras, El Salvador e Nicarágua. Embora eu estivesse no exterior antes, foi nessa viagem que decidi ficar longe de casa por mais de um mês e, desde então, até agora, a experiência que adquiri com cada viagem foi mais do que inestimável.

Espero que você aproveite ao máximo as 12 dicas a seguir para você:

1- Sente-se em algum lugar e observe as pessoas

Soará meio chato fazer isso, mas é a melhor maneira de conhecer em primeira mão como é a vida cotidiana dos habitantes de uma cidade. Pode ser um parque, o café da esquina, um restaurante ou bar ao ar livre, até a praça de uma cidade remota, qualquer local público desse tipo permite que você veja como as pessoas vivem em outras partes do mundo.

2- Não tenha medo de gastar dinheiro de tempos em tempos

Como mochileiro, sei quais são as vantagens de economizar, sei a importância de gastar o mínimo possível, para que o dinheiro lhe ofereça mais e você possa continuar viajando por algum tempo. Dito isto, chega um momento em que, às vezes, não basta dar o seu gosto e gastar um pouco mais para conseguir o que deseja. Seja um almoço de US $ 25, uma noite em um hotel de categoria ou pagando uma excursão de primeira classe, exceder o orçamento para alcançar satisfação pessoal ou maior conforto não é algo que deve ser visto como pecado.

3- Use o Couchsurfing

Nesse momento, parecerá estranho que um mochileiro não saiba do que se trata o Couchsurfing, mas se você é um desses, não se preocupe, pois não é o único. Este site é uma enorme comunidade de viajantes que entram em contato com os hóspedes para ficar em suas casas. O Couchsurfing é muito econômico se você viaja por longos períodos de tempo, mas o mais especial é poder interagir com os anfitriões locais, uma experiência que você dificilmente obtém em outro tipo de acomodação.

4- Não planeje tanto

Lembro-me de quando saí da América Central em 2010, com meu Lonely Planet na mão, seguindo e seguindo a rota sugerida pelo guia. Mal posso dizer que improvisei, desde que, sendo minha primeira viagem de mochila, tive medo de que as coisas não saíssem conforme o planejado, por isso fiquei ancorado à rota que desenhei com o Lonely Planet.

Era necessário que isso acontecesse, e quanto mais eu planejava, menor era a satisfação de sentir que descobri algo para mim. Na minha última viagem ao Peru e à Bolívia, tive essa necessidade de sair do molde e deixar as coisas fluírem sozinhas. De fato, era esse o caso, e era melhor que eu não pudesse sair durante os três meses em que entraria e saíra nesses dois países, sem me preocupar em seguir uma agenda.

5- Não saia sem seguro de viagem

A maioria verá a aquisição de seguros como um custo desnecessário, mas nada está mais longe da verdade. O desejável de ter um seguro não é usá-lo, e eu entendo que ninguém gosta de gastar dinheiro, mas lembre-se de que a vida traz consigo todos os tipos de surpresas e mudanças que não podem ser controladas pelo ser humano (doenças, desastres naturais ) e, portanto, é melhor evitar qualquer eventualidade. Se você quiser saber mais detalhes sobre este tópico, pode estar ciente deste artigo.

6- Não embale demais

Se há uma coisa que você aprende à força quando está de mochila às costas é diminuir a quantidade de bagagem que carrega com você, e não porque se presume levar pouca, mas porque não há outra opção. Várias vezes me aconteceu que acabei dando ou vendendo o que restava na minha mochila e nunca me arrependi. Se, no momento da embalagem, você está indeciso em carregar alguma coisa, é porque você não precisa dela. Caso você exija algo que você esqueceu de trazer, é mais do que certo que você o encontrará no país que visitar.

7- Mantenha sempre sua mente aberta

Quando estiver no exterior, nunca se esqueça de ir a regiões onde opiniões e estilos de vida são muito diferentes do que você costuma entender. Portanto, use simpatia a seu favor e não julgue os hábitos que você não conhece, nem assuma que seu ponto de vista ou opinião é superior ao de outros. Se você não sabe algo, é tão simples quanto pedir e, assim, sai da ignorância.

8- Não viaje rápido

Você verá todas as coisas boas de uma viagem se dedicar algum tempo a explorar um lugar adequadamente, o que é diferente de passar dois dias em cada cidade que você chega. A viagem rápida faz você não conhecer todas as atividades e atrações que um destino tem a oferecer. Por outro lado, ir devagar evitará que você se canse o tempo todo de arrumar / desembalar sua mochila e procurar alojamento.

9- Crie uma cópia das suas fotos

Se houver um medo generalizado entre os viajantes (inclusive eu) é perder cada uma das suas fotos. Hoje, não basta apenas passá-los para o laptop, porque se o roubam, você também fica sem memórias fotográficas. Comece com alArmazene todas as suas imagens em um USB, ou melhor ainda, em serviços de armazenamento em massa online. Dropbox, Google Drive e OneDrive são as alternativas mais populares e podem ser usadas gratuitamente.

10- Crie um blog de viagem

Considero esse ponto opcional, pois nem todos se sentirão à vontade ao assumir a responsabilidade de ter um blog de viagem. Só ouso dizer que, com um blog de viagem, você pode ter oportunidades que nunca viriam sozinhas. Um ótimo exemplo disso foi quando fui convidado pelo Holiday Inn para visitar o centro da Argentina em 2013, com as despesas pagas, e isso foi graças ao meu blog. Na Bolívia, visitei o impressionante Salar de Uyuni e não gastei nem um centavo. Você nunca sabe onde é necessário ter um blog de viagem; portanto, se você estiver interessado em criar um, este guia detalhado será um toque para você.

11- Não coma em restaurantes perto de locais turísticos

É fato que, se você for a restaurantes adjacentes a atrações turísticas, os preços serão muito caros, além da qualidade da comida, que não se torna a melhor. Isso é algo que acontece muito pouco em restaurantes visitados por locais, onde a comida deve ser a melhor possível, se eles querem que os clientes retornem. Quanto mais remoto o restaurante, mais barato será o cardápio e maior a variedade. Pessoalmente, estou caminhando até encontrar um restaurante que atenda ao meu orçamento, mas se você preferir economizar tempo, use aplicativos como o Quadrangular e o Yelp para encontrar uma opção gastronômica baseada no que você deseja.

admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post comment